Com 66 Viale BRT vendidos para Belo Horizonte, Marcopolo treina motoristas do MOVE

ônibus

Ônibus Viale BRT para o sistema MOVE, de Belo Horizonte. Marcopolo comercializou 66 unidades e auxilia na capacitação dos motoristas. Foto: Diego Vieira.

Com 66 Viale BRT vendidos para o MOVE, Marcopolo faz treinamento para motoristas
Sistema de corredor exclusivo para ônibus de Belo Horizonte deve ter primeira fase inaugurada em fevereiro na Avenida Cristiano Machado
ADAMO BAZANI – CBN
Mais que tecnologia, o setor de transportes é feito por pessoas.
Não adianta haver sistemas modernos de ônibus e corredores sem profissionais capacitados tanto para operação como para atendimento humanizado aos passageiros,
Na área técnica, motoristas têm recebido treinamentos em relação aos ônibus que vão servir o sistema MOVE, de corredores BRT em Belo Horizonte.
A inauguração do primeiro trecho, pela Avenida Cristiano Machado, está prevista para o mês de fevereiro.
A fornecedora de 66 ônibus articulados para o BRT mineiro, Marcopolo, diz que tem auxiliado na apresentação dos novos ônibus, que são mais tecnológicos, para os condutores.
O diretor comercial da fabricante de carrocerias, Paulo Corso, disse em nota à imprensa que o modelo Viale BRT têm características que exigem uma capacitação mais adequada dos motoristas e destaca uma parceria feita com a gerenciadora dos serviços da capital mineira, BHTrans:
“Esta ação da BHTrans permitirá que os profissionais conheçam melhor os veículos e possam conduzi-los com maior segurança, eficiência e proporcionar aos passageiros ainda mais conforto e bem-estar durante o trajeto. Nosso compromisso não é apenas fornecer o melhor modelo para cada operação. Sabemos que é importante também passar diversas questões técnicas e operacionais para os motoristas que diariamente trabalharão no MOVE” – afirmou Paulo Corso.
De acordo com a Marcopolo, o modelo Viale BRT que vai ser usado no MOVE tem configuração para 145 passageiros e câmbio automatizado.
A empresa diz que além do design mais moderno, o espaço interno é melhor aproveitado, aumentando a capacidade de transporte e o conforto dos passageiros.
“A maior largura interna, associada à configuração das poltronas, proporciona maior área livre e facilita a circulação dos passageiros, tornando a viagem mais cômoda e confortável. A altura interna também foi aumentada, permitindo a inclusão de eficientes dutos de ar, alto-falantes e amplo espaço para propaganda nas laterais superiores.”, segundo nota da Marcopolo.
MOVE:
O sistema de BRT MOVE de Belo Horizonte, quando concluído, vai atender diariamente cerca de 700 mil passageiros.
A previsão é que o tempo de deslocamento seja reduzido em 45%, segundo a BHTrans.
Com 42 estações, distantes em média umas das outras 400 metros, os 23,1 quilômetros de extensão do MOVE terão três ramais após a conclusão:
Avenida Antônio Carlos: 14,7 km.
Avenida Cristiano Machado: 7,1 km.
Hipocentro: 1,3 km.
Seguindo os padrões BRT, os corredores vão oferecer exclusividade real para o transporte público no espaço urbano. As estações serão modernas, abrigando de melhor maneira os passageiros e com plataformas no mesmo novel do assoalho dos ônibus, dispensando o uso dos degraus dos veículos.
Haverá também o sistema de pré-embarque, pelo qual o passageiro paga a tarifa antes de entrar no ônibus, reduzindo o tempo de parada dos veículos e aumentando o espaço interno, já que os ônibus das linhas troncais não precisam de catracas internas.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

STJ retoma licitação de duas mil linhas interestaduais pela ANTT

ônibus

Ônibus interestadual rodoviário partindo de Santo André, na Grande São Paulo, para o Nordeste brasileiro. STJ derrubou liminar que suspendida a licitação de aproximadamente duas mil linhas interestaduais pela ANTT. Foto: Adamo Bazani.

STJ determina que seja realizada licitação de linhas interestaduais de ônibus
Instância suspende liminar do TRF que impedia o certame de cerca de duas mil linhas gerenciadas pela ANTT.
ADAMO BAZANI – CBN
O STJ – Superior Tribunal de Justiça determinou que a licitação de aproximadamente duas mil linhas de ônibus interestaduais gerenciadas pela ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres seja retomada.
Na quarta-feira, dia 22 de janeiro de 2014, o presidente em exercício do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Gilson Dipp, suspendeu a liminar do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) que, a pedido do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado de São Paulo (Setpesp), impedia a concorrência pública. A informação, no entanto, só foi divulgada nesta segunda-feira, dia 27 de janeiro.
O presidente em exercício do STJ entendeu que o prazo de 50 dias dado pela ANTT para as empresas e interessados se manifestarem sobre o edital foi “mais que suficiente” e que se a licitação continuar sendo impedida de prosseguir há risco de “grave dano à segurança pública e à ordem pública e econômica, se destacada a relevância e a importância estratégica dessa parte da ação governamental voltada ao desenvolvimento do país e ao crescimento da economia”.
Desde 2008, o governo federal, que lançou o Propass Brasil, o plano para licitação, e as empresas de ônibus travam uma verdadeira queda de braço sobre o tema,
Nos mais recentes capítulos, representadas pelos Setpesp, sindicato das empresas em São Paulo, as companhias de ônibus conseguiram impedir o andamento da licitação, cenário que mudou com a decisão de Gilson Dipp.
Em 11 de outubro de 2013, o Setpesp teve o pedido de liminar para impedir a licitação negado pela primeira instância da 21ª Vara Federal do Distrito Federal.
O Setpesp recorreu ao Tribunal Regional Federal.
Em 18 de dezembro de 2013, o juiz Jirair Miguerian, do TRF, aceitou a argumentação das empresas de ônibus de que como o edital foi colocado pela ANTT a lei de licitações estava sendo contrariada. As empresas alegaram que não foi respeitado o tempo para manifestações em relação ao edital.
A ANTT e AGU – Advocacia Geral da União – entraram com recurso e na quinta-feira, passada, o STJ derrubou a liminar que favorecia as empresas de ônibus.
A licitação divide o sistema de transportes rodoviários interestaduais em 54 lotes e 16 grupos, vai exigir idade máxima de 10 anos dos ônibus e GPS na frota.
As empresas dizem que o governo federal não “ouviu o mercado”, que se formou em 70 anos, “regido pela necessidade de deslocamentos dos passageiros” e temem “desmantelamento de uma estrutura que é aprovada pela população”
Dimensão e características da frota, divisão das áreas de operação, taxa de ocupação dos ônibus e distribuição das linhas estão entre os principais pontos sem acordo entre viações e ANTT.
O governo federal alega que a licitação vai modernizar a frota, os serviços e vai distribuir melhor o mercado. A empresa que assumir uma linha muito lucrativa tem de operar também um serviço com menos retorno financeiro, mas de interesse social.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , | 6 Comentários

R$ 90 bilhões são jogados fora por ano nas nove principais cidades pela falta de transporte público adequado

trem lotado São Paulo

Nove maiores cidades do País perdem R$ 90 bilhões por ano, ou 2,5% do PIB Brasileiro, pela falta de qualidade nos transportes, principalmente nos serviços de trens suburbanos, de acordo com o Instituto Akatu. Investimentos no atual sistema de trens e qualificação dos serviços de ônibus são soluções já conhecidas, mas pouco aplicadas.

Nove maiores cidades do País perdem R$ 90 bilhões por ano por falta de condições melhores nos transportes
Cálculos do Instituto Akatu ainda revelam que maiores problemas ocorrem nos sistemas de trens
ADAMO BAZANI – CBN
Com informações de o “Fantástico” – Rede Globo
As nove maiores capitais do País jogam fora por ano R$ 90 bilhões por causa da falta de prioridade e das más condições dos transportes.
Este dinheiro é referente à perda de produtividade do trabalhador nestas capitais, levando em conta somente os deslocamentos diários acima de uma hora. O valor corresponde a 2,5% do PIB. Por causa das dificuldades nos transportes, o trabalhador produz 5% menos.
Os cálculos são de Helio Mattar, do Instituto Akatu, pelo consumo consciente.
Nas nove maiores regiões metropolitanas, 15,8 milhões de pessoas usam o transporte público por dia.
Os maiores problemas ocorrem nos trens suburbanos. Diariamente, o gasto de tempo com os deslocamentos dos trabalhadores é de 82 minutos. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, este tempo sobe para 90 minutos nos trens e metrô.
Em São Paulo, segundo o professor de engenharia de tráfego da USP, Telmo Porto, os trens da CPTM operam 50% da jornada no limite da capacidade. São cinco horas pela manhã e cinco horas à tarde/noite com o máximo que as linhas poderiam oferecer.
Além de dinheiro, o país perde qualidade de vida. Se o trabalhador economizasse um quarto de tempo diário num período de 35 anos de vida profissional, ganharia 9 anos de tempo livre. Essa economia de tempo que resulta em qualidade de vida vem principalmente pela redução das horas semanais de deslocamentos.
As soluções são bem conhecidas e podem ser divididas em três pontos principais, todos com o mesma relevância e que dão base para outras ações:
1) Políticas públicas constantes que privilegiem o transporte coletivo não apenas no espaço urbano, mas na gestão e nos investimentos, não se limitando assim, a eventos como Copa do Mundo e Olimpíadas, ou a programas como o PAC, que apesar de importantes, são pontuais.
2) Modernização e expansão das redes metroferroviárias.
3) Investimentos pesados e sérios nos sistemas de ônibus, com criação de espaços como BRT – Bus Rapid Transit – corredores modernos que aumentam a velocidade dos ônibus e o conforto para os passageiros. Os objetivos são não sobrecarregar o sistema metroferroviário, fazer ligações entre linhas de trens e metrôs evitando estrangulamento nas estações já saturadas e levar transporte eficiente aos locais onde não há condições técnicas e financeiras para que haja um sistema de trilhos. Mesmo onde não haja possibilidade de corredores de ônibus, faixas exclusivas e melhor cuidado com as vias por onde os coletivos trafegam já melhoram a qualidade dos serviços.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes
Com informações de o “Fantástico”, da Rede Globo.

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , | 7 Comentários

Gratuidade para idosos não garante isenção de taxa de embarque e ICMS

ônibus

Lei garante gratuidade a idosos com 60 anos ou mais nos ônibus intermunicipais rodoviários do Estado de São Paulo. Empresas podem cobrar taxa de embarque e 12% sobre esta taxa referente ao ICMS. Foto: Adamo Bazani.

Gratuidade nos rodoviários não garante isenção de taxa de embarque
Idosos com sessenta anos ou mais também pagam o ICMS do valor da taxa. Viagem deve ser feita até cinco dias após a reserva
ADAMO BAZANI – CBN
Já está em vigor no Estado de São Paulo a lei que garante gratuidade nos ônibus intermunicipais rodoviários para passageiros com 60 anos ou mais.
As empresas de ônibus que ligam diferentes cidades devem reservar duas poltronas para estes passageiros em cada veículo. Caso os assentos já estejam ocupados por idosos nas mesmas condições, será necessário optar por outro horário ou empresa.
O passageiro com 60 anos ou mais deve reservar a passagem com até 24 horas de antecedência e é possível também reservar o bilhete da volta. É necessário ir ao guichê da companhia de ônibus e apresentar o RG. Não é preciso comprovar renda no caso dos intermunicipais rodoviários de São Paulo.
As companhias de ônibus podem vender os assentos para qualquer passageiro se depois deste prazo de 24 horas antes da partida não tiver sido registrada reserva.
A lei não obriga as empresas a fazerem as reservas por telefone ou internet.
As reservas devem ser feitas para viagens que vão ser realizadas em, no máximo, cinco dias.
E atenção. Mesmo havendo a gratuidade, os idosos precisam desembolsar um dinheiro para viajar.
Isso porque, está prevista a cobrança de taxa de embarque e, além disso, a lei permite que as empresas de ônibus cobrem o ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços sobre o valor da cobrança de embarque. O percentual no Estado de São Paulo é de 12%.
De acordo com a Artesp – Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo, as empresas não podem cobrar as taxas de pedágios relativas à viagem.
As empresas de ônibus contestam. Algumas dizem que a lei obriga somente a isenção do valor da passagem.
Os passageiros que tiverem o bilhete negado e desconfiarem que há vagas nos ônibus podem relatar o fato à Artesp pelo telefone:

0800 727 8377
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , | 5 Comentários

Passageiros fazem protesto contra mudança de empresa de ônibus em Mauá

Suzantur Mauá

Manifestantes protestaram contra atitude do prefeito de Mauá, Donisete Braga, e do secretário de mobilidade urbana, Paulo Eugênio Pereira, de tirar a empresa Leblon e colocar a Suzantur. Passageiros relatam que qualidade nos transportes foi prejudicada com a mudança.

Passageiros e moradores realizam manifestação contra troca de empresa de ônibus em Mauá
Manifestantes dizem que atitude do prefeito Donisete Braga prejudicou a população. Representantes de movimentos sociais afirmam que já sofrem ameaças
ADAMO BAZANI – CBN
Manifestantes ocuparam as principais ruas e avenidas da região central de Mauá, na Grande São Paulo, neste sábado, 25 de janeiro de 2014, para protestarem contra a atitude do prefeito Donisete Braga e do secretário de mobilidade urbana, Paulo Eugênio Pereira, que retiraram de circulação a empresa de ônibus Leblon Transporte de Passageiros e colocaram no lugar a empresa emergencial Suzantur.
De acordo com os passageiros do sistema municipal, a Leblon Transporte prestava melhores serviços que a companhia Suzantur chamada pelo poder público municipal.
Eles reclamam da falta de pontualidade, condições dos ônibus (que vieram usados de outras cidades), ausência de equipamentos de acessibilidade e da qualificação dos motoristas e cobradores da empresa que desde o dia 29 de dezembro opera com exclusividade o lote 02.
Além disso, os manifestantes dizem que faltou transparência nas ações do prefeito e do secretário de mobilidade urbana para o descredenciamento da empresa Leblon.
Também foi descredenciada a Viação Cidade de Mauá.
Um dos organizadores do protesto, o ativista social Rafael Rodrigues acredita que a ação da prefeitura é uma forma para que seja retomado o monopólio nos transpotes, de maneira disfarçada, que durou mais de 30 anos em Mauá, antes de a Leblon ter vencido uma licitação e começado a operar em 06 de novembro de 2010.
Apesar de a Viação Cidade de Mauá ser de Baltazar José de Sousa, Rafael e os outros manifestantes acreditam que pode estar ocorrendo em Mauá uma ação para que o grupo ligado ao empresário detenha novamente a totalidade dos transportes na cidade.
Rafael voltou a citar os documentos que apresentou em dezembro do ano passado aos vereadores de Mauá que mostram indícios de ligações entre a Suzantur, Baltazar José de Sousa e a outros empresários relacionados a ele.
Ainda segundo Rafael, de acordo com os documentos, a família que detém parte da Suzantur é proprietária do Banco Caruana, que financia ônibus para Baltazar José de Souza e outro empresários do ABC Paulista. O dono da Trans-Mauá (não é a autarquia Mauá-trans, que deve ser criada na cidade) é hoje José Garcia Netto, que também é proprietário do banco Caruana. A Trans-Mauá, cotada para ser operadora na cidade nos próximos meses, foi fundada por Baltazar José de Souza para disputar a licitação contra a Leblon. Outra empresa fundada por Baltazar José de Sousa com o mesmo propósito, Viação Estrela de Mauá, hoje de David Barioni Neto, chegou a circular nas linhas do lote antes operado pela Leblon, mas foi retirada pela Justiça. Atualmente, ônibus ainda registrados em nome da Viação Estrela de Mauá, de acordo com os documentos, fazem os serviços da Suzantur.
Rafael disse que o protesto não se tratou de uma defesa a Leblon e sim ao que considerada uma luta pela “qualidade nos transportes de Mauá e moralidade na administração pública”.
Ele também voltou a defender a redução da tarifa, hoje de R$ 3,00 na cidade e propõe um diálogo para a criação da autarquia Mauá-trans. Até os vereadores dizem que falta esclarecimentos do poder público sobre o tema.
A Viação Cidade de Mauá e a Leblon foram descredenciada depois de supostas consultas não autorizadas ao sistema de bilhetagem eletrônica.
O argumento da Leblon de que as empresas foram treinadas pela prefeitura e autorizadas a fazerem as consultas aos dados que as companhias teriam direito de saber foi aceito em junho do ano passado pela corregedora-geral do município, Thais de Almeida Mianna. Ela recomendou a realização de uma nova sindicância sobre as possíveis falhas no sistema de bilhetagem, mas o parecer não foi levado em consideração pelo prefeito Donisete Braga.
O caso agora está na Justiça.
Donisete Braga afirma que as empresas invadiram o sistema de bilhetagem eletrônica e declarou as companhias inidôneas.
Ele nega perseguir as empresas e diz que quer instalar na cidade um novo modelo de transportes. Apesar de ser emergencial, a Suzantur é considerada o primeiro passo para este modelo.
De acordo com a Polícia Militar, a manifestação reuniu cerca de 100 pessoas. Os organizadores falam em 200 manifestantes.
Apesar das vias serem parcialmente bloqueadas, o ato foi pacífico, sem incidentes.
Rafael diz que vem sofrendo ameaças, inclusive de morte, após ele ter feito as denúncias.
Ele ainda relata que em meio à manifestação deste sábado, um motociclista sem aproximou do motorista do carro de som e o ameaçou, mandando o condutor “dar linha” – sair da cidade com o veículo.

CONFIRA A ENTREVISTA:

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 37 Comentários

Trólebus, música, informação e muito mais no aniversário de São Paulo

ônibus

Trólebus antigo de São Paulo vai circular ao lado de outros ônibus elétricos modernos no centro histórico da cidade. Na Sala São Paulo, CBN realiza programação especial, com a participação do público, com música, cultura, debates e notícias. Foto: Adamo Bazani

Aniversário de São Paulo e uma série de atrações na cidade
Passeio de trólebus, músicas, teatro, debates e informação vão marcar as comemorações dos 460 anos da maior cidade da América Latina. Ciclofaixas, no entanto, não serão mais implantadas na região central
ADAMO BAZANI
É impossível dar apenas uma definição para São Paulo.
A cidade que completa 460 anos é a que trabalha, a que diverte, que tem história, que busca um futuro melhor. É a cidade onde se reclama, se discute, se debate, mas também, onde há arte, entretenimento, cultura, música.
Sendo assim, não seria suficiente apenas uma atração para homenagear a cidade.
Neste sábado, estão previstas diversas atividades que vão trazer momentos de lazer, de reflexão, vão relembrar a história e mostrar como pode ser o futuro.
Os transportes foram e ainda são essenciais para o desenvolvimento da cidade. Os serviços de mobilidade urbana dão à população acesso a direitos básicos como saúde, educação, lazer, trabalho e renda. E um dos modais que tem a cara de São Paulo é o trólebus, que representou um marco na evolução do setor na cidade. O tradicional passeio de trólebus por pontos históricos da cidade vai contar também com novos modelos de veículos não poluentes, como o ônibus elétrico que funciona somente com bateria e é testado em linhas municipais.
Já na Sala São Paulo, um dos pontos mais tradicionais da cultura na cidade, a Rádio CBN vai fazer uma programação especial. O CBN São Paulo, apresentado por Fabíola Cidral e produzido pela jornalista Gabriela Gonçalves, vai trazer música, com Paula Lima e “Demônios da Garoa”, entre outras atrações. Debates e notícias da cidade com plateia, dentro da programação jornalística da emissora, vão marcar as reflexões sobre a cidade. Também serão conhecidos os vencedores do prêmio Cidadão Sustentável.
Fica um alerta, no entanto, para quem desejava comemorar o aniversário da cidade pedalando. Depois de pedido da PM – Polícia Militar, que espera manifestações na capital paulista, as ciclofaixas não serão implantadas mais neste sábado na região central, de acordo com informações da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego – divulgadas no final da tarde desta sexta-feira.
Confira os detalhes das atrações:
PASSEIO DE TRÓLEBUS E ÔNIBUS A BATERIAS PARA COMEMORAR SÃO PAULO DE TODAS AS ÉPOCAS:
Uma programação especial e gratuita, que já se tornou tradicional, está pronta para os paulistanos no feriado de 25 de janeiro. Para comemorar os 460 anos de São Paulo, a Prefeitura oferece, neste sábado, o Passeio Turístico de Trólebus por vias do centro histórico e cultural da cidade.
Serão 16 ônibus à disposição do passeio, cinco a mais do que em 2013. Além de 13 trólebus comuns, haverá 2 trólebus articulados e uma novidade: a possibilidade de experimentar a viagem em um ônibus movido a bateria, que quase não faz ruídos nem emite poluentes, é fabricado na China e está sendo testado pela SPTrans em São Paulo desde dezembro.
“Será uma boa oportunidade para os paulistanos e os visitantes conhecerem o centro da cidade de uma forma diferente e utilizando o transporte público, estamos todos de parabéns”, avalia o secretário de Transportes, Jilmar Tatto.
Para completar o clima de aniversário, o passeio contará com uma atração inédita. Quatro artistas do grupo Trovadores Urbanos farão oito apresentações, de aproximadamente 20 minutos cada uma, nas filas de embarque. Serão dois rapazes e duas moças que, usando figurino dos anos 20, irão homenagear a cidade e os paulistanos interpretando um repertório clássico, formado por composições de Adoniran Barbosa e outros artistas, além de pedidos do público.
A viagem do Passeio Turístico de Trólebus dura 40 minutos, parte do Páteo do Colégio e termina na Rua Venceslau Brás, perto da Praça da Sé. Das 9h às 15h deste sábado, será possível aproveitar a programação que terá guias de turismo da SPTuris contando um pouco da história do centro da “quatrocentona” mais charmosa do País.
O passeio acontece pela nona vez consecutiva e para os organizadores já faz parte do calendário de comemorações do aniversário da cidade. Uma verdadeira aula de história que destaca pontos como o Páteo do Colégio e a imponência do Theatro Municipal.
Também no roteiro estão o prédio que abriga a atual sede da Prefeitura, a Avenida Ipiranga, o Mosteiro de São Bento, os edifícios Martinelli e Itália, além de outros cartões postais importantes, como a Catedral da Sé e o Viaduto do Chá.
O Passeio Turístico de Trólebus é promovido pela Secretaria Municipal de Transportes (SMT), São Paulo Transporte (SPTrans), Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e São Paulo Turismo (SPTuris), com apoio da Ambiental Transportes Urbanos, Secretaria de Transportes Metropolitanos (Metra/EMTU), Consórcio Via Aérea, Sabesp, Guarda Civil Metropolitana (GCM), Polícia Militar, Subprefeitura da Sé, e secretarias municipais de Coordenação das Subprefeituras, de Saúde (Samu) e de Assuntos Relacionados ao Turismo.
Serviço
Passeio Turístico 2014
Data: 25 de janeiro de 2014
Ponte de partida: Páteo do Colégio
Horário: 9 às 15 horas
SÃO PAULO NÃO VAI TER CICLOFAIXA NO ANIVERSÁRIO POR CAUSA DE MANIFESTAÇÕES:
A pedido da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que alega motivo de segurança, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) informa que não haverá a implementação da ciclofaixa na região central da cidade, amanhã, 25 de janeiro.
A PM argumenta que ocorrerão eventos e manifestações de grande proporção nessa área e, por questão de segurança, pede a suspensão.
Em função dessa postura da PM, a Bradesco Seguros informou à CET que não implentará as ciclofaixas.
Diante desse quadro apresentado pela PM, a CET reitera que não haverá a ativação nas seguintes vias:
– Pça. Dr. João Mendes / R. Anita Garibaldi / R. Roberto Simonsen / R. Venceslau Brás / R. Boa Vista / R. São Bento / Pça. Do Patriarca / Vd. do Chá / Pça. Ramos de Azevedo / R. Barão de Itapetininga / Av. Ipiranga / Pça. da República / Av. Vieira de Carvalho / Lgo. do Arouche / Lgo. São Francisco / R. Benjamin Constant / Pça. da Sé / Vd. Santa Ifigênia / Av. Cásper Líbero / R. Mauá / Pça. da Luz)
– Av. Liberdade e Rua Vergueiro
– Av. Paulista e Av. Bernardino de Campos
No domingo, 26, a ativação ocorrerá normalmente, das 7h às 16h.
MÚSICA, GASTRONOMIA, DEBATES E INFORMAÇÃO NA SÃO PAULO DE 460 ANOS:
Para comemorar os 460 anos da principal metrópole brasileira, a CBN prepara festa num dos endereços mais cultuados da capital: a Sala São Paulo. No sábado, dia 25 de janeiro, a programação especial do CBN SP, comandado por Fabiola Cidral, terá ainda a entrega do Prêmio Cidadão Sustentável 2013. Esta é uma parceria da rádio que toca notícia com o Catraca Livre e a Rede Nossa São Paulo, que visa a valorizar o trabalho de pessoas que transformam a cidade num lugar melhor para se viver.
As atrações do CBN São Paulo especial são imperdíveis. A recepção da festa será feita pela Terra da Garoa, com a participação dos Demônios da Garoa e do espetáculo Samba Sampa, um musical que fala da São Paulo dos anos de 1920. O espetáculo terá José Rubens Chachá, como Oswald de Andrade, e Thobias da Vai-Vai. Em seguida, a premiada Orquestra Sinfônica de Heliópolis, regida pelo maestro Edilson Ventureli, vai receber a cantora Paula Lima num show exclusivo. O programa, ao vivo e com plateia, contará também com os nove finalistas do prêmio e dos comentaristas Mario Sergio Cortella e Gilberto Dimenstein.
O Prêmio Cidadão Sustentável, que está em sua segunda edição, poderá ter dois ganhadores – além do júri técnico, um júri popular votará até as 10h30 no grande vencedor. Os nove finalistas já venceram centenas de outras indicações em cada categoria:
• Cultura: maestro João Carlos Martins
• Educação: Dagmar Garroux, a tia Dag
• Intervenções Urbanas: Eduardo Srur
• Inclusão Social: Rodrigo Mendes
• Meio Ambiente: Alexandre Lafer Frankel
• Comunicação: Leão Serva
• Saúde, Bem-estar e Esporte: João Paulo Nogueira Ribeiro
• Tecnologia: Gustavo Maia
• Democracia Participativa: Claudio Weber Abramo
Haverá programação das 9h às 12h e os ingressos serão distribuídos no local a partir das 8h30.

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

MP dá chance a taxistas para apresentarem estudo sobre corredores de ônibus

ônibus

Ônibus em São Paulo. Promotor Maurício Ribeiro Lopes deu prazo para taxistas apresentarem estudo que convença o Ministério Público e a Prefeitura que os veículos não atrapalham os ônibus nos corredores. Foto: Adamo Bazani

MP dá prazo para taxistas apresentarem estudo sobre corredores de ônibus
Em audiência nesta sexta-feira, promotor diz que categoria tem até o dia 28 de fevereiro para convencerem que os táxis não atrapalham o transporte coletivo
ADAMO BAZANI – CBN
Colaborou Joyce Ribeiro – CBN
Os taxistas ganharam mais uma chance para tentar permanecer circulando pelos corredores de ônibus da Capital Paulista.
Em audiência nesta sexta-feira, com a participação de sindicatos de taxistas, representantes da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego, da SPTrans –São Paulo Transporte (gerenciadora dos serviços de mobilidade da Capital Paulista) e técnicos do setor, o promotor Maurício Ribeiro Lopes, de Habitação e Urbanismo, do Ministério Público Estadual de São Paulo, deu um prazo para que as entidades que representam os motoristas de táxis apresentem um estudo que possa comprovar que a presença dos veículos não atrapalha a operação dos ônibus corredores exclusivos, que ficam à esquerda da via.
Os taxistas têm até a próxima quinta-feira, dia 30 de janeiro, para apresentarem um contrato com uma ou mais empresas independentes que vão realizar o estudo.
O trabalho deve ficar pronto e ser apresentado ao Ministério Público até o dia 28 de fevereiro.
No final do ano passado, o promotor Maurício Ribeiro Lopes, deu para a prefeitura de São Paulo prazo até o dia 02 de fevereiro para proibir o tráfego de táxis nos corredores.
São Paulo possui dez corredores de ônibus, sendo que apenas um, o Expresso Tiradentes, não permite a entrada de outros veículos pelo fato de ser realmente separado para ônibus. Os demais corredores, em muitos trechos, não passam de simples faixas à esquerda.
Ainda em 2013, a prefeitura de São Paulo apresentou três estudos ao Ministério Público. Um realizado pela CET – Companhia de Engenharia de Tráfego, outro pela SPTrans – São Paulo Transporte e um terceiro feito por uma empresa terceirizada.
Todos comprovaram que a presença de táxis nos corredores, principalmente perto das paradas e pelo entra e sai destes veículos nos espaços, atrapalha os ônibus.
Sem os táxis, de acordo com os levantamentos, a velocidade dos ônibus seria 25 por cento maior. Ainda segundo os estudos, os táxis transportam apenas um por cento do total de pessoas que passam pelos corredores. Assim, ainda pela conclusão, os táxis beneficiam uma pequena quantidade de pessoas e deixam mais demoradas as viagens de 99 por cento dos passageiros.
Hoje, a velocidade média nas faixas de ônibus à direita é de 26 quilômetros por hora e nos corredores é de aproximadamente 16 quilômetros por hora.
Pelas faixas, é proibido o tráfego de táxis.
Os taxistas dizem que a velocidade dos ônibus é baixa pela estrutura inadequada dos corredores, que não permitem, por exemplo, pontos de ultrapassagem.
Eles afirmam ainda que os táxis ajudam na mobilidade urbana, já que são usados por pessoas que deixam o carro em casa e dificilmente usariam transporte público.
Na última quarta-feira, dia 22 de janeiro, no CBN São Paulo, apresentado pela âncora Fabíola Cidral, e produzido pela jornalista Gabriela Gonçalves, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, fez uma das declarações mais incisivas sobre o assunto.
“Na minha opinião corredor deveria ser só para ônibus, sem outros veículos como táxis. É assim em diversas cidades no mundo”- disse Haddad.
O prefeito da Capital Paulista, no entanto, afirmou que independentemente de sua opinião, o assunto é ainda discutido e não há nada decidido por parte do poder público municipal.
Em relação às faixas, Haddad disse que em algumas, os táxis não trariam impactos negativos para a velocidade dos ônibus.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.
Colaborou: Joyce Ribeiro, repórter da Rádio CBN.

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 5 Comentários