Novos ônibus a hidrogênio com portas dos dois lados

ônibus a Hidrogênio

Ônibus a Hidrogênio que foi apresentado em 2009. O sistema intermunicipal de ônibus em São Paulo, no Corredor ABD, vai contar com mais três ônibus movidos a célula de hidrogênio que depois de um processo chamado eletrólise gera energia elétrica que faz o veículo se movimentar. A emissão de poluentes é zero e o ônibus solta vapor d´água em vez de fumaça. As novas unidades terão portas dos dois lados para o trecho de embarque e desembarque duplo, como no ramal Diadema – Brooklin o Corredor ABD. Os veículos contam com financiamento do Governo do Estado de São Paulo e da Organização das Nações Unidas. Cada ônibus vai custar US$ 1 milhão. O primeiro custou US$ 16 milhões, mas este valor incluiu os custos de projeto, estudos e desenvolvimento. A previsão é que os novos ônibus circulem a partir de 2014. Foto: Adamo Bazani

Novos ônibus a hidrogênio vão ter portas dos dois lados
Veículos devem operar comercialmente em 2014 no Corredor ABD. Cada um deve custar em média US$ 1 milhão

ADAMO BAZANI – CBN

Até o ano de 2014, Copa do Mundo no Brasil, devem estar em circulação mais três ônibus movidos a hidrogênio no Corredor ABD, que liga São Mateus (zona Leste) a Jabaquara (zona Sul de São Paulo) pelos municípios de Santo André, Mauá (Terminal Sônia Maria), São Bernardo do Campo e Diadema.
O PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – e o Consórcio da EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos responsável pelo Projeto Ônibus Brasileiro a Hidrogênio acertaram a fabricação destas mais três unidades. Cada ônibus a hidrogênio custará em média US$ 1 milhão. O prazo de fabricação é de um ano e meio. Eles devem ficar prontos em 2013 e ficarão em testes até 2014.
O primeiro ônibus, em testes de 2009, custou US$ 16 milhões. Este valor incluiu estudos, projetos e desenvolvimento que já foram realizados, portanto, as outras unidades não terão estes custos nesta proporção.
Além disso, estes novos ônibus a hidrogênio vão ter maior nível de nacionalização. O motor elétrico de tração será fabricado no Brasil, por exemplo. As células a hidrogênio, os tanques que armazenam o hidrogênio, as baterias auxiliares de tração e outros componentes responsáveis pela geração da tração ainda serão importados.
Os novos ônibus terão portas no lado esquerdo e no lado direito para servirem trechos de embarque e desembarque duplos, como o ramal do Corredor ABD, entre Diadema, no ABC Paulista, e Brooklin, na zona Sul de São Paulo.
O ônibus a hidrogênio é um ônibus elétrico híbrido. Em vez de o diesel gerar energia, esse papel é feito pelo hidrogênio.
Um processo chamado eletrólise separa o Oxigênio do Hidrogênio, gerando a energia elétrica que move os motores.
O oxigênio, que seria o subproduto da operação, é liberado pelo sistema de escape como vapor d´água. O escapamento e todo o sistema recebem um tratamento especial para não enferrujarem pela umidade maior.
O ônibus conta com a frenagem regenerativa. Toda vez que o ônibus freia ou para, ele precisa de menos energia. A geração de energia é a mesma em todas as situações, mas em momentos que o veículo precisa de menos, o excedente não se transforma em calor e é desperdiçado. Ele é armazenado nas baterias para situações que exigem mais energia que a produzida pelo motor. Além disso, a energia produzida pelo atrito dos freios, por exemplo, também é aproveitada.
Os ônibus a hidrogênio são 100% limpos não emitindo nenhum poluente na atmosfera em sua operação.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

About these ads
Esse post foi publicado em Notícia e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Novos ônibus a hidrogênio com portas dos dois lados

  1. Luiz Vilela disse:

    Uma grande opção para regiões metropolitanas de alta densidade e extensão.
    Seria interessante conhecer os custos operacionais e de manutenção, mas deveria levar alguns anos para regularização do fornecimento do combustível e peças específicas. Sempre é bom lembrar que o Brasil tem boa tradição em combustíveis alternativos. A manutenção de carros a álcool, hoje em dia, tem custo e disponibilidade competitivos.
    Para o usuário parece fantástico: silencioso, rápido e inodoro.

  2. Marcos disse:

    Agora voltando pra vida real…rs…Como usuário da Viação Imigrantes cujas linhas serão assumidas pela empresa MobiBrasil, peço se possível, uma matéria sobre o imbroglio que virou a operação destas linhas intermunicipais. Enquanto na Mobi Diadema as coisas se acertaram, a Imigrantes continua operando da pior forma possível, com frota reduzida, ônibus velhos, muitos, muitos atrasos, passageiros e funcionários insatisfeitos. Enquanto isso dezenas de ônibus prontos para operar estão parados na garagem e ninguém sabe de quem é a responsabilidade, se da própria Mobi/Imigrantes ou da EMTU (dizem que a gerenciadora não está liberando a circulação dos carros novos). Se é para operar da forma como estão operando, melhor seria manter do jeito que estava antes. Havia mais ônibus circulando, velhos sim mas sem intervalos tão vergonhosos.
    Grande abraço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s