Avanço: Cartão de Ônibus aumenta tempo de travessia para idosos e deficientes em semáforo

acessibilidade

Verdadeira integração entre deslocamentos a pé e no transporte público. Cartão de ônibus para idosos e deficientes pode ser usado para aumentar o tempo de travessia de pedestres. Foto: Prefeitura de Curitiba.

Curitiba testa sistema que regula semáforo para idosos e pessoas com mobilidade reduzida
Para controlar o semáforo, cidadão usa cartão transporte dos ônibus
ADAMO BAZANI – CBN
Como integrar mais os descolamentos a pé com os transportes públicos? E como melhorar as condições de ir e vir de pessoas com mobilidade reduzida na via e nos ônibus?
A cidade de Curitiba, no Paraná, testa uma tecnologia interessante que pode unir acessibilidade, caminhadas e transporte público.
Pelo Cartão Transporte dos ônibus voltado para idosos ou pessoas com deficiência é possível o cidadão ampliar o tempo que o semáforo fica aberto para o pedestre.
Um sensor especial no poste do semáforo é acionado toda vez que o pedestre encosta o cartão transporte para idoso ou para deficiente. Ao identificar o cartão, o sistema faz com que o semáforo fique aberto para os pedestres de 20% a 30% a mais que o tempo programado.
O tempo de programação calcula que uma pessoa ande a um metro por segundo de velocidade. Com o acionamento pelo cartão, a velocidade é recalculada para 0,8 metro por segundo.
O cartão indica que uma pessoa que possui dificuldade para andar mais rapidamente precisa atravessar a rua.
O sistema é desenvolvido pela empresa Dataprom.
O primeiro cruzamento que recebeu o equipamento para os testes é o das ruas Amâncio Moro, Agostinho Leão Júnior e Ubaldino do Amaral, em frente à Igreja do Perpétuo Socorro, no bairro Alto da Glória.
De acordo com a Urbs – Urbanização de Curitiba S.A., autarquia responsável pelo gerenciamento dos transportes, hoje podem ter acesso ao equipamento nos semáforos 176 mil 133 passageiros de ônibus que possuem o Cartão Idoso e 13 mil 397 pessoas com deficiência.
Quem tiver estes cartões em casa sem uso por mais de um ano deve revalidar os bilhetes em postos da Urbs.
De acordo com nota Prefeitura de Curitiba, grande parte dos acidentes que tiverem pedestres mortos na cidade envolveu idosos:
“Segundo dados do projeto Vida no Trânsito, 40% dos pedestres mortos em acidentes nas ruas da cidade em 2012 eram idosos. Em 2013, esse percentual caiu, mas ainda permaneceu alto: 35%. Para reduzir o número de acidentes, no último trimestre de 2013 a Secretaria Municipal de Trânsito realizou uma pesquisa inédita com pedestres idosos em vários cruzamentos do centro de Curitiba, determinando velocidade e tempos médios de travessia. Os dados serviram de base para o aumento de tempo dos semáforos de pedestres em diversos cruzamentos da cidade. Os testes da nova tecnologia de utilização dos cartões da Urbs têm duração inicial de 30 dias e poderão ser estendidos a outros cruzamentos da capital. Os estudos também serão encaminhados para a comissão de novas tecnologias da Setran, que tem como participantes técnicos da secretarias e representantes de universidades convidadas.”
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

RÁPIDAS: Aumentos, oficialização do monopólio em Mauá e união de Black Blocs contra ônibus

black blocs

Integrantes de práticas Black Blocs, que se intitulam como ativistas de supostos movimentos sociais, atacam ônibus no Rio de Janeiro. Investigações apontam que organizações do Rio e de São Paulo se uniram para ações violentas. Foto: Grupo Abril

RÁPIDAS: Aumentos de passagens, Mauá e Black Blocs
ADAMO BAZANI – CBN
Passageiros de Natal, no Rio de Grande do Norte, devem se preparar para o aumento nas tarifas de ônibus municipais a partir deste domingo, dia 27 de julho de 2014.
A tarifa básica passa de R$ 2,20 para R$ 2,35.
Já a passagem para estudantes passa a valer, pela bilhetagem, R$ 1,175. A tarifa social nos domingos e feriados foi arredondada para R$ 1,20.
Os aumentos foram aprovados pelo Conselho Municipal de Transporte e Mobilidade Urbana e a portaria número 58 que autoriza os reajustes foi publicada no Diário Oficial, edição do dia 24.
A Semob – Secretaria de Mobilidade Urbana condicionou o aumento ao retorno de 50 ônibus às linhas para ampliar a oferta de lugares e a volta da linha 66 ao itinerário cruzando o Campus Universitário.
CAMPINA GRANDE TAMBÉM TERÁ AUMENTO:
Já em Campina Grande, na Paraíba, a passagem de ônibus passa valer R$ 2,20 a partir desta segunda-feira, dia 28 de julho.
O aumento foi anunciado neste sábado.
Em junho do ano passado, a prefeitura, por desonerações tributárias e depois de uma onda de protestos em todo o país sobre o valor das passagens, possibilitou a redução da tarifa básica de R$ 2,20 para R$ 2,10.
Neste ano, as empresas pediam valor de R$ 2,30. O aumento de 9%, de R$ 2,20 para R$ 2,10, foi decidido na mesma semana que os funcionários do setor de transportes receberam aumentos salariais. Motoristas e cobradores cruzaram os braços na quarta-feira, dia 23 de junho.
MAUÁ SEM NOVIDADES E SURPRESAS:
O prefeito Donisete Braga, de Mauá, no ABC Paulista, nem esperou chegar segunda-feira como a comissão de licitação havia anunciado e já nesta sexta-feira, em tempo recorde, examinou planilhas e declarou oficialmente a empresa Suzantur como operadora única dos transportes de toda a cidade. A Suzantur ofereceu como outorga R$ 6,2 milhões sendo que o edital exigia valor mínimo de R$ 5 milhões.
Mas na segunda fase da licitação, a empresa concorreu sozinha, já que as outras participantes foram desclassificadas.
O monopólio dos transportes volta a Mauá depois de um polêmico descredenciamento das operadoras Viação Cidade de Mauá e Leblon Transporte de Passageiros, ainda contestado judicialmente. À época, a prefeitura alegou que as empresas consultaram sem autorização os dados de bilhetagem eletrônica. A versão não foi unanimidade nem na própria prefeitura, com a procuradora do município, Thaís de Almeida Mianna, recomendando uma nova sindicância. A recomendação foi ignorada pelo prefeito Donisete Braga e pelo então secretário de Mobilidade Urbana, Paulo Eugênio.
Paulo Eugênio e Donisete Braga prometeram em campanha (no caso do prefeito) e em audiências públicas (no caso do ex secretário) que Mauá continuaria com duas empresas ou mais e que o monopólio não voltaria. O monopólio foi quebrado em 06 de novembro de 2010 com a entrada da Leblon Transportes.
Hoje, a prefeitura de Mauá tenta explicar o monopólio por entender que o modelo é vantajoso do ponto de vista de “economicidade” .
BLACK BLOCS DE SÃO PAULO E RIO SE UNIRAM PARA ATACAR ÔNIBUS, DIZ POLÍCIA:
A Polícia Civil do Rio de Janeiro diz que há indícios de que manifestantes adeptos da prática Black Bloc do Rio e de São Paulo se uniram para ações criminosas, como depredações a patrimônio público e privado e incêndio a ônibus.
Os supostos movimentos sociais tiveram telefonemas interceptados com autorização da Justiça.
Em 2 de julho, a estudante Camila Jourdan, que se intitula ativista no Rio de Janeiro, conversou com outra estudante, identificada como Priscila de São Paulo, para saber quantas pessoas viriam de São Paulo para fazer manifestações no dia 13 de julho, final da Copa no Rio de Janeiro.
Camila também conversou com outro auto-intitulado ativista de São Paulo, Igor D’Icarahy, para combinar a hospedagem do grupo que vinha da capital paulista.
Em 12 de julho, após prisões de suspeitos de terem cometido as ações violentas, a viagem de supostos ativistas de São Paulo para o Rio foi abortada. Mas a participação de manifestantes de São Paulo no Rio e vice-e-versa já tinha ocorrido em outros atos que terminaram com depredações.
A polícia diz ter descoberto que o grupo não iria só fazer passeatas. O objetivo mesmo era ter atos violentos.
O ex-integrante da comissão de organização dos protestos violentos, o técnico químico Felipe Braz Araújo, de 30 anos, detalhou para a Polícia Civil, que os ataques a estabelecimentos e ônibus tinham estratégias.
As reuniões do grupo ocorriam no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no centro, ou na sede da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), na zona norte.
“Nas reuniões eram planejados trajetos e atos criminosos, como incendiar ônibus, destruição do patrimônio público e privado, furto a caixas eletrônicos de agências bancárias”, afirmou Araújo aos investigadores, segundo reportagem de Sergio Torres e Fábio Grellet, do jornal O Estado de São Paulo.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 comentário

Congestionamentos fizeram R$ 98 bilhões virarem fumaça no Rio de Janeiro e em São paulo no ano de 2013

congestionamentos

Congestionamentos fizeram São Paulo e Rio de Janeiro perderem R$ 98 bilhões em 2013. Investimentos em transportes públicos são a principal medida para evitar mais desperdícios de recursos e degradação da qualidade de vida. Mas as ações devem ser feitas de maneira técnica, deixando de lado obras que trazem mais projeção no marketing político do que benefícios às cidades como um todo. Agência Folha

Congestionamentos fizeram São Paulo e Rio de Janeiro perderem R$ 98 bilhões em 2013
Transporte público é a principal solução para que indústrias, comércios e pessoas parem de literalmente transformar dinheiro em fumaça. Mas obras não podem criar segregação urbana
ADAMO BAZANI – CBN
Já ouviu a expressão: virou fumaça?
Normalmente se refere quando algum esforço, recurso ou trabalho são empregados de maneira intensa e acabam dando em nada.
Pois bem, é o que ocorre com as indústrias, comércios e pessoas por causa dos congestionamentos e da falta de investimentos sérios e maiores no transporte público.
Estudo divulgado nesta semana pela Firjan – Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, ao qual o Grupo Globo de Comunicação teve acesso, mostra que em 2013 os congestionamentos custaram R$ 98 bilhões somente nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo.
Isso equivale a aproximadamente 2% do PIB – Produto Interno Bruto Brasileiro.
O contrassenso das políticas que ainda insistem em privilegiar o transporte individual e não promover desenvolvimento para geração de renda e emprego nas periferias é tão grande que só com o que São Paulo e Rio de Janeiro jogaram fora por causa dos congestionamentos em 2013, daria para construir 39 mil e 200 quilômetros de corredores de ônibus do tipo BRT – Bus Rapid Transito, modernos e que oferecem acessibilidade e rapidez aos transportes, 1 mil 960 quilômetros de metrô pesado subterrâneo e de alta tecnologia, ou 10 mil quilômetros de VLT – Veículos Leves sobre Trilhos, espécie de bondes modernos.
O estudo da Firjan somente leva em conta as horas de trabalhos perdidas e o combustível desperdiçado.
Mas a própria entidade diz que o custo do congestionamento é maior já que envolve fatores como os gastos na saúde pública devido ao agravamento de doenças por causa da poluição, desgastes nos veículos, degradação da estrutura viária, horas extras, queda de produtividade dos trabalhadores que já chegam cansados no serviço e até mesmo perdas de vendas do comércio: o trânsito e a falta de qualidade dos transportes públicos têm desestimulado as pessoas a passearem e se divertirem e, consequentemente, consumirem.
Além disso, há a perda de projeção de crescimento profissional. As pessoas não conseguem tempo para estudar e se qualificar.
O estudo conclui que a principal medida para que o dinheiro pare de ser queimado são investimentos em transportes públicos.
INVESTIMENTOS EM TRANSPORTES NÃO PODEM CRIAR SEGREGAÇÃO:
E quando se fala em investir em transporte público, questões de marketing político e até mesmo de beneficiamento de grupos econômicos podem fazer com que as verbas para a mobilidade não sejam aplicadas adequadamente.
As cidades como um todo precisam de investimentos e não apenas alguns eixos.
O que se vê hoje são projetos novos, que politicamente chamam a atenção, quase que faraônicos e suntuosos, mas que atendem apenas a demandas localizadas e o pior: sem uma relação clara e convincente do custo/benefício quanto à capacidade de transportes e esgotamento com o tempo.
Um dos principais fatores que devem ser levados em consideração é a demanda e a projeção do crescimento do número de passageiros.
Além disso, os investimentos em transportes devem abraçar toda a cidade.
Gastar uma grande quantidade de recursos somente em um modal numa determinada área é como se fosse criar uma segregação. Não haverá recursos para as outras regiões que continuarão sem privilégio ao transporte público.
Não somente as áreas centrais ou de altíssima demanda merecem transporte de qualidade.
Neste aspecto, os corredores comuns de ônibus e os mais modernos (BRT – Bus Rapid Transit) mostram-se ainda soluções mais adequadas. São mais baratos que outros modais, a implantação é mais fácil e rápida, o que é essencial para uma situação que precisa de medidas urgentes. E o melhor, não se esgotam com o tempo, pois pelas obras serem simples, há flexibilidade de expansões e alterações em trajetos que os outros modais não têm.
Uma rede de transporte que conjugue corredores modernos de ônibus e metrô de alta capacidade para as grandes e médias cidades sem dúvida é a solução mais coerente para evitar que se perca dinheiro e qualidade de vida devido ao trânsito e aos congestionamentos.
O trânsito é uma bola de neve perigosa. Quanto mais veículos existem nas ruas, outros mais são necessários.
Hoje empresas de ônibus precisam de mais veículos para atender a mesma linha e as transportadoras de mais caminhões para levar a mesma quantidade de cargas.
Assim, os transportes públicos beneficiam o deslocamento de pessoas e também de mercadorias ao reduzirem os congestionamentos.
Se os transportes de carga forem mais rápidos, eles também serão mais baratos, influenciando no custo final dos produtos transportados e, consequentemente, nos preços para o consumidor final nas gôndolas de supermercado e lojas.
Estes números são mais uma prova de que os investimentos em transportes precisam de fato saírem do papel. Basta agora coragem e bom senso!
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 comentário

Expresso Fênix cadastra 2,6 mil passageiros em Águas de Lindóia

ônibus

Expresso Fênix já tem 50% dos passageiros usando bilhetagem eletrônica no primeiro mês de operação. Meta é chegar a 70% em três meses. Passageiros vão contar com tabelas informativas de horários e itinerários. Foto: Divulgação

Expresso Fênix cadastra 2,6 mil passageiros em primeiro mês de operação em Águas de Lindóia
Dados se referem à bilhetagem eletrônica
ADAMO BAZANI – CBN
No primeiro mês de operação em Águas de Lindóia, no interior Paulista, a empresa de ônibus Expresso Fênix cadastrou 2 mil 685 passageiros no sistema de bilhetagem eletrônica implantado com a entrada da companhia na cidade.
Os dados se referem ao período de 14 de junho a 14 de julho deste ano.
De acordo com a empresa de ônibus, essa adesão ao sistema eletrônico de bilhetagem corresponde a 50% dos acessos às catracas dos veículos. A meta da companhia é fazer com que 70% dos passageiros usem cartão quando as operações completarem três meses.
Ainda de acordo com a Expresso Fênix, do total de passageiros cadastrados no município, 1 mil 48 possuem direito à gratuidade, entre pessoas com 60 anos de idade ou mais e portadores de deficiências com ou sem acompanhante.
Já os estudantes com direito à desconto de 50% nas passagens em Águas de Lindóia somam 574 cadastros.
No caso de estudantes, idosos e portadores de deficiência, os cartões possuem as fotos dos passageiros para reduzir fraudes e uso indevido.
Os ônibus também possuem câmeras que registram as imagens dos passageiros que usam os cartões que garantem isenção parcial ou total para comparação posterior com as fotos nos cartões que estão gravadas num banco de dados.
Em nota, diretor da Expresso Fênix, Victor Hugo Granziera, disse que o sistema de monitoramento garante segurança também para os passageiros
“O sistema de inteligência, que também consideramos uma novidade, evita fraude por usuários e a utilização inadequada do benefício em caso de perda ou roubo do bilhete eletrônico. A finalidade é evitar prejuízos à empresa e à administração pública municipal, mas principalmente garantir toda tranquilidade aos usuários que utilizam os nossos ônibus”
Ele também afirmou que nas próximas semanas, a Expresso Fênix vai divulgar tabelas com horários e itinerários dos ônibus.
. “Neste primeiro mês fizemos algumas readequações para atender as necessidades apontadas pela própria comunidade. Agora, estamos finalizando este processo a fim de oferecermos um serviço de qualidade, condizente à expectativa do usuário do transporte público e da prefeitura de Águas de Lindóia”, concluiu na nota o diretor da Expresso Fênix, Victor Hugo Granziera.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , | 1 comentário

BRT Transcarioca já atendeu mais de 1 milhão de passageiros e recebe seis novas estações

Transcarioca

Ônibus do Corredor Transcarioca. Com menos da metade das estações inauguradas, sistema já atendeu um milhão de pessoas. Capacidade agora deve ser ampliada para 200 mil pessoas por dia com a abertura de seis novas estações. Foto: Taxiinforme

BRT Transcarioca já atendeu mais de 1 milhão de passageiros
Neste sábado, mais seis estações devem ser inauguradas ampliando a capacidade do corredor em 30 mil passageiros por dia
ADAMO BAZANI – CBN
Desde quando foi inaugurado parcialmente em 2 de junho de 2014, o corredor exclusivo para ônibus BRT Transcarioca já atendeu mais de um milhão de passageiros, de acordo com a Prefeitura do Rio de Janeiro.
O sistema, projetado para ligar a Barra da Tijuca, na zona Oeste do Rio de Janeiro, à Ilha do Governador – Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, em 39 quilômetros, opera com 22 das 47 estações previstas.
Neste sábado, dia 26 de julho, serão inauguradas mais seis novas estações entre o Tanque e Madureira. São as estações Madureira (Paulo da Portela), Campinho, Pinto Teles, Capitão Menezes, Praça Seca e Ipase.
Com estas novas estações, serão atendidos mais 30 mil passageiros por dia, ampliando a capacidade diária parcial para 200 mil pessoas.
A frota vai ser dobrada, passando de 45 para 90 ônibus articulados de serviços troncais.
Para adaptação dos passageiro e dos motoristas, o trecho que compreende as seis novas estações vai operar das 10h às 15h, com os horários ampliados gradativamente, como ocorreu com outros pontos do corredor de ônibus.
Por R$ 3 o passageiro pode usar as linhas alimentadoras e os serviços troncais, em duas horas e meia, e por R$ 4,35 em Madureira é possível fazer a integração com os trens da Supervia.
O total de passageiros tem crescido gradativamente.
Segundo a prefeitura, isso se deve ao fato de o corredor oferecer maior velocidade e conforto em comparação com a época na qual os ônibus não tinham exclusividade e a extinção de linhas que foram encampadas pelos serviços do Transcarioca.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 comentário

Salvador divulga resultado da licitação que divide cidade em três lotes

ônibus

Ônibus em Salvador. Sistema será dividido em três lotes. Os consórcios vencedores são formados por empresas que já atuavam na cidade e idade média da frota deve ser reduzida para 3,5 anos até 2016.

Salvador divulga vencedoras de licitação
Cidade será operada por três consórcios com mais de uma empresa cada. Outorga paga pelas empresas vai financiar construção de corredores de ônibus
ADAMO BAZANI – CBN
A prefeitura de Salvador divulgou nesta sexta-feira, dia 25 de julho de 2014, o resultado da licitação dos transportes.
O modelo de licitação divide os serviços em três lotes que pelos próximos 25 anos serão operados por três consórcios. Segundo a prefeitura, uma das principais preocupações do edital foi evitar a concentração ou divisão com muita desigualdade do sistema.
Os três consórcios foram os únicos participantes.
Os serviços vão ficar divididos de acordo com os lotes:
Lote A ou Lote 1: Subúrbio de Salvador / Comércio . Vencedor: Consórcio Plataforma: – formado pelas empresas de ônibus Praia Grande, Axé, Boa Viagem e Joevanza. – Outorga oferecida: R$35 milhões 480 mil.
Lote B ou Lote 02: “Miolo” da cidade, Cajazeiras e Iguatemi. Vencedor: Consórcio Salvador Norte – formado pelas empresas BTU, ODM, Verde Mar e Viação Rio Verde. Outorga oferecida: R$57 milhões 899 mil
Lote C ou Lote 3: Orla Atlântica e Centro da cidade: Vencedor: Consórcio Jaguaribe – formado pelas empresas São Cristóvão, Expresso Vitória, Modelo, RD, Transporte Sol, Triunfo, União e Unibus Bahia. Outorga oferecida R$86 milhões 377 mil
Na prática, houve poucas mudanças em relação às operadoras, que são basicamente as mesmas que já atuavam na cidade.
EXIGÊNCIAS:
A prefeitura agora vai analisar as planilhas e as documentações das empresas e dentro de 60 dias deve ser assinado o contrato com os consórcios vencedores.
As linhas devem ser readequadas, segundo a Semut – Secretaria Municipal de Urbanismo e Transporte, evitando sobreposições.
A outorga paga pelas empresas durante a operação será usada para projetos voltados para a mobilidade urbana, como a contrapartida do município para a construção de corredores de ônibus BRT – Bus Rapid Transit, com estações de embarque e desembarque cujo piso fica na mesma altura do assoalho dos veículos e espaço realmente separado para os veículos de transportes coletivos desenvolverem melhor velocidade operacional. As obras devem custar R$ 1 bilhão e já têm recursos garantidos por verbas diretas da União e financiamentos pelo BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e pela Caixa Econômica Federal.
Também haverá sistema de monitoramento e controle da frota e das operações dos ônibus através de câmeras nos veículos e GPS que vai informar em tempo real a localização dos ônibus nas linhas e a previsão de chegada nos pontos e terminais. Todo o acompanhamento será feito pelas companhias de ônibus e por um CCO – Centro de Controle Operacional, da prefeitura. Estes dados devem ser disponibilizados pelas empresas em painéis instalados nos terminais e pontos de alta demanda e o passageiro poderá se informar sobre linhas e horários por celular através de SMS. O sistema de transportes também deve ter uma central unificada de atendimento telefônico (call Center) mantido com os recursos das empresas de ônibus.
Até 2015, a tarifa de ônibus municipal não vai ser reajustada, sendo mantida em R$ 2,80. Os reajustes então serão anuais, com base no IPCA – Índice de Preços ao Consumidor – Amplo.
A idade da frota, que hoje chega a dez anos, até 2016 deve ter média reduzida para 3,5 anos.
Os ônibus deverão ter sistema de ventilação, elevadores ou piso baixo para melhor acesso de pessoas com mobilidade reduzida e seguirem os padrões internacionais Euro V de motorização, que possibilitam a redução de poluentes nas emissões.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Volvo lança Guia de Mobilidade com ênfase para o BRT

ônibus

Ônibus modelo BRT em Goiânia. Volvo lança guia de mobilidade e enfatiza vantagens de corredores de ônibus.

Volvo lança guia de mobilidade urbana com ênfase para o BRT
Objetivo da publicação é trazer mais dados e experiências para melhorar o ir e vir das pessoas nas médias e pequenas cidades
ADAMO BAZANI – CBN
Proporcionar ir e vir com qualidade, preservação ao meio ambiente e redução de impactos na configuração das cidades é um dos grandes desafios da atualidade.
Não existe uma solução, um modal apenas ou uma fórmula mágica.
São necessárias várias ações em conjunto, respeitando características regionais, dimensões das demandas de passageiros em cada região e até mesmo aspectos culturais relacionados aos deslocamentos das pessoas.
No entanto, não faltam especulações e jogos de interesses na apresentação de muitas medidas que são vendidas como solução.
Como nem os especialistas sabem tudo de transporte, setor que se altera a cada dia de acordo com a mudança das necessidades dos cidadãos, uma alternativa é reunir experiências que mostram que tipo de modal, gerenciamento e operação podem ser mais adequados.
Um trabalho interessante neste sentido é o Guia de Mobilidade do Programa Mobilidade Volvo (PMV) da Volvo.
A empresa fabrica ônibus e oferece soluções para BRT – Bus Rapid Transit, corredores de ônibus modernos.
É claro que muitos podem levantar a questão de que por ser uma fabricante de ônibus, a Volvo apresentaria este modal como uma das principais soluções para os transportes nas cidades.
E é verdade. Mas realmente o BRT é considerado sim uma importante alternativa para a melhoria da mobilidade, sem desprezar os outros modais. E, além disso, não há mal nenhum com base em experiências reais, reunir as vantagens que este meio de transporte oferece.
Em nota, a Volvo explica o trabalho:
“A ideia do guia foi criar um material de referência, de leitura mais fácil que os manuais sobre transporte público. Acreditamos que será útil para autoridades, gestores de transporte, empresas operadoras e profissionais interessados em mobilidade para avaliarem quais as melhores alternativas para um transporte público de qualidade em suas cidades”, afirma Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America.
O conteúdo mostra alguns dos desafios urbanos atuais, e passa pelos conceitos e características dos sistemas de transporte de média e alta capacidade, como metrô e VLT. O material traz um panorama dos sistemas de BRT no mundo e destaca alguns que são referência mundial, apresentando seus benefícios sob a ótica dos passageiros, das cidades, da sociedade e dos operadores. Sugere ainda alguns passos para uma melhor qualificação do transporte público a partir da situação atual.
“O modelo ideal de mobilidade é aquele que responde mais rapidamente às necessidades dos passageiros, consumindo a menor quantidade de recursos, tanto em sua construção quanto em sua operação”, destaca Ayrton Amaral, especialista em mobilidade da Volvo Bus Latin America.
O guia aborda algumas vantagens dos sistemas baseados em ônibus, como a flexibilidade e a facilidade e rapidez em sua implantação. Um BRT pode utilizar, com alguns ajustes, as vias existentes, oferece flexibilidade de rotas e chega mais perto da casa das pessoas.
“É mais natural melhorar o transporte público com sistemas de ônibus de qualidade, como o BRT, do que com sistemas baseados em trilhos. Quando bem planejado, contribui para melhorar o trânsito, reduz o custo por passageiro transportado e torna-se a base para o crescimento sustentável das cidades”, reforça Amaral.
Texto inicial: Adamo Bazani
Texto Final: Assessoria de Imprensa
NA NOTA TAMBÉM A VOLVO MOSTRA ALGUNS EXEMPLOS DE VANTAGENS DO BRT:

release25072014h

BRT alia eficiência e baixo custo operacional
O guia Mobilidade Inteligente da Volvo apresenta o BRT (Bus Rapid Transit) como uma solução para construção de sistemas de transporte público eficientes. Criado em Curitiba, na década de 70, o modal está presente em 39 países e 168 cidades. O modelo se consolidou por possuir alta capacidade de transporte e baixo custo operacional.
“Os gestores públicos têm a responsabilidade de implementar sistemas de transporte que atendam as necessidades da população sem exaurir os cofres públicos. O BRT é uma alternativa para esse desafio”, diz Ayrton Amaral, especialista em mobilidade urbana da Volvo Bus Latin America.
O sistema oferece alta capacidade de transporte, velocidades médias maiores e viagens rápidas. Além disso, é uma solução com menor prazo de implementação e requer menos investimentos que outros modelos de transporte.
De acordo com a média de investimentos na construção de projetos no mundo, incluindo o Brasil, com U$ 1 bilhão é possível construir 200 km de BRT, 50 km de VLT (veículo leve sobre trilhos) e 10 km de metrô. O tempo de implantação também é uma vantagem importante para o BRT. Em dois anos pode-se construir uma linha desse sistema, enquanto para construir a mesma linha de metrô seriam necessários 10 anos, e de VLT, cinco anos.
Outro benefício é o custo de operação por passageiro transportado. Em média, um passageiro em sistemas de metrô custa de 10 a 20 vezes mais quando comparado a um de BRT com a mesma demanda. Quando um sistema de transporte com ônibus convencionais é transformado em um BRT, as tarifas mantêm-se acessíveis, sem necessitar de subsídios governamentais, como ocorre nos sistemas baseados em trilhos.
Um ônibus biarticulado, por exemplo, transporta três vezes mais passageiros que um ônibus convencional e 50% que um articulado. Ao colocar um biarticulado no lugar de um convencional, há uma redução na contratação de (motoristas e cobradores) – custo que representa entre 40% e 50% da operação, e de custos variáveis como consumo de combustível e manutenção. “Embora o biarticulado exija maior investimento inicial, consuma mais combustível e tenha mais pneus que um ônibus convencional, a redução da frota na proporção de três para um, reduz o custo da operação e aumenta a produtividade do sistema”, explica Amaral.
Para que seja reconhecido como eficiente pela população, um BRT precisa ser bem projetado. É necessário ter vias segregadas para ônibus, espaço para ultrapassagem, ônibus de alta capacidade de transporte, pagamento antecipado da passagem, embarque em nível, terminais de integração, portas amplas para facilitar o acesso, motoristas bem preparados e informações aos passageiros, além de limpeza, conforto e segurança em todas as paradas e terminais.
Experiência Volvo
A Volvo é pioneira no desenvolvimento de veículos para os sistemas de BRT e líder neste mercado. A empresa participou da implementação dos principais BRTs da América Latina. Na década de 80, forneceu os primeiros articulados para o sistema de transporte de Curitiba. No início dos anos 90 a empresa desenvolveu, no Brasil, o modelo biarticulado para atender o aumento da demanda do sistema de transporte da cidade.
Hoje, os veículos articulados e biarticulados da marca estão presentes no Transmilênio, em Bogotá, na Colômbia, considerado o BRT com maior capacidade de passageiros do mundo. Também no Metrobus de Goiânia, na RIT de Curitiba, no Transantiago de Santiago do Chile, no TransCarioca do Rio de Janeiro, no Move de Belo Horizonte, no BRT de Recife, além da Guatemala, El Salvador, Quito e Guaiaquil no Equador, Cáli, Bucaramanga e Pereira na Colômbia, entre outras.

Publicado em Notícia | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 4 Comentários